[2018 - O review] Eis que esta chegando o natal, e o ano novo também

18 November 2018

2018 - O ano que eu não esperava acontecer

Eis que chegamos ao fim de mais um ano e começam as reflexões sobre os 365 dias que passaram, como aproveitamos as chances que apareceram, as dificuldades superadas, os momentos felizes, os que não foram mas que foi possível sobreviver mesmo assim.

Há poucos dias do natal parei para refletir sobre tudo o que aconteceu, esse texto é resultado disso. Espero que seja um encorajamento a você que talvez esteja pensando em desistir como eu já pensei ou que pelo menos seja uma oportunidade para depois pensar em como foi seu ano também :)

Os eventos que eu participei o que aprendi eles:

-   Dia Internacional da Mulher - UFABC
-   Python Sudeste
-   Semana da Diversidade do Instituto Federal de Bragança
-   Caipyra
-   WWG-Sampa + Pyladies São Paulo
-   TDC São Paulo
-   Python do Zero
-   Secot
-   Flask Conf
-   InterCon
-   Python Brasil[14]
-   Cerveja com Dados   
-   Coda.Br
-   Jungles DevFest
-   Grupy-SP - Novembro
-   Devs JavaGirl Summit

Foi um ano incrível, em que pude conhecer muitas pessoas incríveis, com quem aprendi demais. Muitas vezes temos a impressão que quem está ali palestrando ou ministrando a oficina é alguém que sabe demais que tem muito a dizer e pouco para aprender, mas não nos damos conta que quem está ali esta aprendendo com aquele momento, com a iteração com as pessoas que estão naquele ambiente.

Esse foi um dos principais aprendizados desse ano, provavelmente muita das pessoas que assistiram alguma das minhas talks não tem ideia do quanto aprendi com elas, com as suas expressões, suas reações, questionamentos etc.

A parte mais gostosa de participar de eventos é a convivência com as pessoas naquele espaço é entender porque elas estão ali. Aprender sobre tecnologias e como elas são úteis, mas com certeza o mais gostoso disso tudo é compreender o impacto na vida de quem vai utiliza-las.

A nossa missão como desenvolvedores é muito mais social do que tecnológica e quanto mais cedo tivermos noção disso mais poderemos verdadeiramente impactar o contexto que estamos inseridos.

Claro, nem tudo são flores, muitas coisas ruins também aconteceram mas também é possível aprender com elas. Não estamos verdadeiramente preparados para a diversidade, e só nos damos conta disso quando ocorrem conflitos, quando o acolhimento é necessário, quando a empatia grita para ser ouvida, mas somos surdos ao seu clamor.

E faço aqui o mea culpa , não somos perfeitos, um dia somos oprimidos e no outro podemos sim oprimir, minorias podem sim se sobrepor e quando entendemos isso podemos lidar melhor com isso.

Aprendi a lidar com a depressão e a ansiedade, mas principalmente aprendi a deixar ao meu redor quem sabe conviver com isso, quem compreende os altos e baixos desses momentos, e agradeço a todos vocês que me viram nos mais diversos tipos de situação me ajudaram, auxiliaram e aconselheram…E principalmente, quem entende que a minha negritute deve ser respeitada, que ela grita, que tem peso nas minhas decisões, na minha fala, no que passo todos os dias, em quem fui, quem sou e quem eu serei.

Por fim mas não menos importante, compreendi que o amor está nos detalhes, PRINCIPALMENTE o amor próprio que é o mais importante!!!

Agradeço a Deus por esse ano, aos meus pais que foram essenciais para a minha recuperação e a vocês que estiveram comigo, não nomearei mas vocês sabem que estão nesse lambda <3

Que venha 2019